Crônica da Eternidade

•11/11/2009 • 1 Comentário

– …e imagine só que os seminários, de tempos em tempos se deixavam contaminar vagarosamente pela filosofia mundana vigente! – disse o mestre a seu aprendiz.

81686685_4a5b1e1e59Surpreso e mais curioso, o aprendiz lhe pergunta: – Mas como é que os homens não se davam conta disso? Como isso acontecia? – perguntou-lhe inconformado.

– Como já lhe disse, as coisas não eram tão simples. Os homens não tinham suas mentes completamente redimidas e limpas do pecado e eram facilmente influenciados… e isso fazia com que as igrejas fossem assaltadas por mentiras e por idéias anti-cristãs por diversas vezes na história. Mas Pai sempre levantava pessoas que estivessem atentas a Ele para trazer as igrejas de volta a seus trilhos; A história os chamava de “reformadores”!

– Reformadores? – disse o aprendiz, querendo saber mais.

– Sim, reformadores, porque eles reformavam a teologia das igrejas! Imagine só que houve épocas em que os seminários não estudavam o Grande Manual Sagrado, mas sim as correntes de pensamento seculares! Uma delas, a que, na minha opinião, trouxe mais estragos às igrejas era a corrente que eles chamavam de Filosofia Grega. Por causa desta corrente, muitos se perderam e chegaram até o ponto de não acreditaram mais na existência do Pai!

– E quantas vezes na história, antes da Igreja ser limpa na grande Restauração de Pai esses reformadores entraram em ação?

– Quantas vezes foi preciso! O curioso é que, nestes tempos, as pessoas sempre pensavam que a igreja estava sucumbindo e se dirigindo à não existência ou que a Grande Restauração era iminente! Mas como você sabe… não aconteceram no momento em que eles achavam que estava para acontecer.

– E o sr.? Aonde estava naqueles momentos antes da Restauração?

(….)

Anúncios

Porque somos criados para ter “sucesso”???

•08/10/2009 • Deixe um Comentário
o que será preciso para que a forma de educarmos nossas crianças mude sendo que já sabemos que o sistema está errado?

o que será preciso para que a forma de educarmos nossas crianças mude sendo que já sabemos que o sistema está errado?

Porque será que somos formados / programados para pensar sempre em nos tornarmos um profissional formado ou então fazermos algo que dê bastante dinheiro sendo que todo mundo já sabe que dinheiro não traz felicidade ou que sucesso é sinônimo de felicidade, quando muitas vezes não é? Porque será que ainda as crianças de hoje são submetidas a um sistema em que somente aqueles que tiram as melhores notas nas disciplinas da escola são valorizados enquanto os outros são rebaixados e taxados de inferiores? Quem disse isso? Porque a escola, ao invés de capacitar as crianças para fazer um vestibular e fazerem uma “boa faculdade”, não trabalham o caráter, a capacidade social e também o conhecimento com o fim de equipar a criança para realizar aquilo que ela foi feita para fazer? Sim eu creio que todos têm um chamado único para cumprir em sua vida… cada um com suas habilidades, personalidades e características únicas… cada um tem um lugar que pertence e que foi feito para fazer isso…. seja este lugar numa marcenaria ou num escritório de engenharia? É por isso que cada vez mais vemos as pessoas frustradas com suas vidas… não estão fazendo o que foram feitas para fazer… mas fazendo o que lhe falaram que dava mais dinheiro ou mais “status”…. tá tudo errado!

Porque você vai à igreja?

•30/09/2009 • Deixe um Comentário
Até a menor das crianças tem dentro de si a sementinha da ganância...

Até a menor das crianças tem dentro de si a sementinha da ganância...

Lendo um relato de um possível ex-pastor da IURD, à revista época, uma frase me saltou aos olhos em meio à longa reportagem: “Noventa e nove por cento das pessoas que vão à igreja, e isso eu ouvi do bispo Macedo, não vão para adorar a Deus. Vão para pedir, porque têm problemas no casamento, nas finanças, de saúde.” – será que ele não está certo? Talvez não estatisticamente… mas todos nós como seres humanos temos um quê de egoismo e sempre buscamos algo para nós, nosso lucro na barganha; sempre queremos saber o que temos a ganhar e não o que temos a perder, o que é natural! Mas o humanismo consumista aguça nossa “fome consumista” a ponto de até nosso relacionamento com Deus, muitas e muitas vezes ser baseado numa barganha!

Porque você vai à igreja? Qual sua motivação? Porque você é cristão? Porque você Crê que Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida, ou sua vida cristã é apenas uma muleta para você se relacionar com pessoas? Se sentir valorizado? Ou é só uma apólice de seguro que… vai que a Bíblia tem razão então você já fez seu seguro e está salvo, caso isso tudo seja verdade no final das contas?

Quantas vezes eu mesmo não me peguei buscando a Deus porque queria mais bençãos, mais poder, mais alguma coisa?? …sabe quando uma criança senta ao lado do pai e apenas fala que quer ficar ali do lado dele? Você já fez isso com Ele? Ou só vai a Ele na hora de pedir “mesada”? Que você não faça parte destes “99% !

Segurança é utopia… a não ser…

•23/09/2009 • 1 Comentário

Estou lendo o livro “Mochila nas costas e diário na mão – a história de Ashbel Green Simonton” – que é o fundador da Igreja Presbiteriana no Brasil. Ainda estou no começo, já ouvi falar que ele era um tanto diferente do que muitas igrejas presbiterianas se tornaram (seguidoras mais dos costumes do que das doutrinas bíblicas)… enfim… vou comprovar isso ao ler o livro, não? rs…mas já comecei a gostar do Rev. Simonton, veja o que ele diz:

“Só há segurança na submissão completa aos propósitos de Deus. Sob sua guarda, o lugar de perigo é seguro; sem a sua presença não há segurança.” – Ashbel Green Simonton

E ele tem razão. Costumo dizer que  em certas situações “fazer a vontade de Deus não é fácil… mas não fazê-la é mais difícil ainda!”. Que andemos sempre buscando os planos e sonhos dele para nossas vidas. Somente Nele nossa vida é completa.

Pós-modernismo tem doutrina e liturgia.

•15/09/2009 • 1 Comentário

playboy-logo

Ontem, assistindo a mais uma presepada de um tele-pastor vendendo benção a 900 reais, vi um comentário interessante: “(…) Nessa hora como é bom ser ateu e materialista…” – de fato, o materialismo é a religião do século e tem doutrina e até liturgia! Há quase 20 anos, Bono Vox e sua trupe escreveram esta música que se resumeperfeitamente à “doutrina” e a “liturgia” que têm contaminado até igrejas e pastores mundo afora… muitos se aproveitam da fé das pessoas… nessas horas… vejo que o comentário do ateu não está tão fora… afinal pelo menos ele não engana ninguém e nem abusa da fé das pessoas…

The Playboy Mansion – U2

Se a coca-cola é um mistério
E Michael Jackson…história
Se a beleza é verdadeira
E cirurgia a fonte da juventude

O que tenho que fazer?

Será que eu tenho os dons para passar pelos
portões daquela mansão?
Se o O.J é mais do que um bebida
E um big mac é maior do que você pensa
Se perfume é uma obsessão
E programas de entrevista…confissão

O que nós temos a perder

Um outro empurrão e talvez nós atravessaríamos
Os portões daquela mansão
Eu nunca comprei um bilhete de loteria
Eu nunca estacionei na vaga de alguém
Os bancos são como catedrais
Eu acredito que os cassinos tomaram seu lugar
Amor, desca aqui
Não a acorde, ela virá passar aqui

Chance é um tipo de religião

Onde você está condenado pelo simples azar
Eu nunca vi aquele filme
Eu nunca li aquele livro
Amor, desca aqui
Deixe meus números aparecerem

Não sei se posso aguentar

Não sei se sou tão forte
Não sei se posso esperar tanto
Até que as cores fiquem reluzentes
E as luzes apareçam

Então não haverá tempo de tristeza

Então não haverá tempo para a vergonha
E embora eu não possa dizer o motivo
Eu sei que tenho que acreditar

Nós vamos dar voltas naquela piscina

É quem você conhece que te dá um passe para entrar
pelos portões da Playboy Mansion

Então não haverá tempo de tristeza

Então não haverá tempo de dor
Então não haverá tempo de tristeza
Então não haverá tempo para a vergonha

Ouça a música no youtube. Que vivamos o Cristianismo verdadeiro com simplicidade e humildade e não essa religião dos bezerros de ouro de Jeroboão que só remete ao Cristianismo.

Depressão será a doença mais comum do mundo em 2030, diz OMS

•11/09/2009 • Deixe um Comentário

Um relatório da OMS (veja na íntegra a notícia aqui) aponta que em 20 anos a depressão  deverá se tornar a doença mais comum do mundo. Fiquei intrigado! Especialmente porque esta é uma doença que acontece na mente e não no corpo! Se nós temos uma doença como o cancer, aids, gripe, são fatores físicos que o causaram… um vírus.. disposição genética.. exposição a substâncias nocivas, etc… mas a depressão não é algo contagioso! Pelo menos não a princípio!

Dei uma pesquisada, e os maiores causadores de depressão são:

• Acontecimentos na vida que levam a grande entristecimento: morte na família, crise e separação matrimonial, menopausa, parto, etc

• Modo de encarar a vida, de forma pessimista, negativista (algo que nossa geração nem tem… que nossa mídia nem propaga..)

• Estresse  (nós trabalhamos para viver ou vivemos para trabalhar?)

• Problemas sociais como desemprego, solidão (resultado de um sistema canibal que visa somente o melhor para os poderosos e ricos e a solidão tem diversas causas)

Agora me responda: será que não existe algo errado com o ambiente em que vivemos para sermos expostos a estas coisas tão intensamente a ponto de esta ser a maior doença do século? Será que não há nada de errado acontecendo? Nada fora do lugar no mundo? Do ponto de vista Ateu, não! Está tudo normal! Viva para ser feliz e é só isso o que importa! Do ponto de vista Cristão, há algo que está fora do lugar no coração de cada ser humano, inclusive os próprios cristãos…  uma doença serve para indicar que existe algo de errado que alguma coisa está sendo como não deveria ser! Para mim o maior problema é que a vida que nos é imposta não está sendo como deveria ser nessa sociedade regida pelo dinheiro; que valoriza o trabalho acima da família, acima do casamento e acima da saúde;

Quem irá nos mostrar o que está fora do lugar e como consertar? Qual o padrão ideal para nossas vidas?

Deixo você com a sábia Marisa Monte (e Arnaldo Antunes) e sua música “O vilarejo”;

Emoções Artificiais…

•13/07/2009 • Deixe um Comentário
Mais um pouco de TV... e nada mais importa...nada mais me incomoda!

Mais um pouco de TV... e nada mais importa...nada mais me incomoda! Na foto, o personagem "the fly" criado por Bono Voz na tour ZooTV: uma crítica à cultura consumista pós-moderna indiferente gerada principalmente pela mídia.

Quão artificiais são as emoções que você sente? Esta pergunta me atingiu enquanto eu me “solidarizava” com um trabalhador que, devido a uma doença, perdera uma de suas mãos e acabara de explicar em lágrimas que o sonho de seu irmão mais novo fazer faculdade e ter uma vida melhor acabara de ruir porque ele teria que trabalhar em seu lugar. Não, eu não ajudei esta pessoa; não dei dinheiro, não consolei, nem sequer orei com ela ou por ela.

Não me chame de indiferente ou insensível! Eu fiquei muito sensibilizado com a situação do rapaz. Mas, apesar de meus sentimentos que me impulsionaram a ajudá-lo, não o fiz. Porquê? Simplesmente porque o trabalhador era um personagem do aclamado seriado estadunidense chamado “HOUSE”.  A emoção que senti, que, a princípio, tem a função de me amolecer ou me dispor a ajudar o próximo foi estimulada por algo irreal. Foi uma emoção artificial.

Marcelo Fromer, do Titãs estava certo quando escreveu “a televisão me deixou burro, muito burro demais” – talvez não saibamos mais viver em comunidade, sabemos só sobreviver em comunidade.

Será que estas emoções artificiais não acabam gerando indiferença? Vemos o reflexo disso nas ruas, outro dia fiquei pensando sobre as placas “não dê esmola, dê escola e cidadânia”. Quanta utopia! Aquela placa serve só como um escape para não dar esmola (o que, muitas vezes é o mínimo que podemos fazer pelo próximo em nossas vidas ocupadas) – ou você acha que esta placa gerou a motivação em alguém para dar escola e cidadania?? Não seja hipócrita!

Quando foi a última vez que você sentiu esse sentimento de solidariedade, esse impulso para ajudar alguém de verdade? Ou a TV já está suprindo todas as suas emoções como se fossem pílulas de suplementos alimentares, que substituem a verdadeira comida com sabor, textura, temperatura e gosto?